Indea confirma foco de raiva animal em uma pastagem na região do Trevo Ouro Verde



HojeNews - O Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea) confirmou a morte de um bovino por raiva bovina em Colíder. A informação é do chefe do escritório local do instituto, Newton Castilho.

O foco foi registrado em ruma propriedade na região do Trevo Ouro Verde. Outros dois bovinos foram sacrificados. Exames laboratoriais confirmaram a doença. Todos os animais em um raio de 12 quilômetros em torno da área do foco estão sendo vacinados. 

O procedimento será repetido dentro de 21 um dias, segundo Castilho. "Todos os proprietários são obrigados a realizar as vacinações. "Alertamos que a doença pode infectar humanos e animais domésticos", acrescenta.

O Indea não interdita a propriedade por conta da identificação da doença. Apenas faz o monitoramento para prevenir o contágio.

A raiva dos herbívoros é uma doença que não tem tratamento e a mortalidade é de 100% dos afetados. No primeiro semestre de 2016, foram registrados em Mato Grosso 23 focos da doença.

Em 2015 foram notificados 41 focos de raiva e até junho deste ano foram 23 focos. Recentemente, foi constatada a doença em uma propriedade de Lucas do Rio Verde, após a morte de alguns bovinos atacados por morcegos da família dos hematófagos. 

A doença

O fiscal de defesa agropecuária e florestal do Indea, Ernani Machado de Lima, explica que raiva animal é transmitida transmitida pelo morcego hematófago Desmodus rotundus. Bovinos, bubalinos, equídeos, caprinos e ovinos devem ser imunizados.

Para identificar a ação dos morcegos herbívoros é preciso estar atento às 'sugaduras' pelo sangue que acaba escorrendo pelo corpo do animal.

Os morcegos costumam agir mais de uma vez no mesmo animal e local onde atacaram. Mas o rebanho bovino não transmite a doença para o homem. 

“O boi não morde. Ele desenvolve a doença e morre. No entanto, o contato da saliva do animal, seja cão ou gato ou mesmo do boi, com a pele ferida de uma pessoa contamina. Por isso é necessário todo cuidado e qualquer manipulação de medicamentos, inclusive, deve ser feito com luvas. Uma mordida do cão com a doença também afeta o homem e não tem cura, leva a óbito”, explica o fiscal. 

O vírus da raiva não afeta todas as espécies de morcegos, somente a dos hematófagos. Eles só procriam uma vez ao ano, portanto, não se disseminam com tanta rapidez, o que torna possível o controle da doença. 

É importante promover o controle da população de morcegos. “As ações de controle são feitas exclusivamente pelos técnicos do Indea, nos locais onde houve incidência da doença", orienta Ernani.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS