Idoso barrado na entrada do Hospital Regional de Sinop e morre a caminho da UPA


GC Notícias - Ioannis Georgios Tsilfildis, de 74 anos, veio a óbito no início da noite dessa quinta-feira (15), em Sinop. De acordo com a família, o idoso começou a passar mal por volta das 18h. No desespero, encaminharam o senhor até o Hospital Regional de Sinop, onde o mesmo estava até o início da tarde. Ioannis havia ficado internado por 10 dias no Hospital e recebeu alta por volta das 13h de quinta-feira.

Ao pedir socorro no Regional o paciente foi barrado no portão. De acordo com o filho Vicente Tsilfildis, um “guarda” (vigia do Hospital), negou a entrada, dizendo que o paciente deveria ser reconduzido até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento), localizada no Grande Boa Esperança, há 5 quilômetros do Hospital – 15 minutos de carro.

Ioannis deu entrada na UPA com parada cardiorrespiratória, sem pulso central e com a pele da face já roxa. No prontuário médico a equipe de socorristas informou que o paciente estava com parada cardíaca e respiratória há 20 minutos e que foram realizados 8 ciclos de reanimação, com a utilização de 14 ampolas de adrenalina (utilizada para tentar reativar o músculo cardíaco). 

Os socorristas também fizeram 3 seções de desfibrilação, com 200 joules de potência, mas não conseguiram reverter o quadro. Foram mais de 35 minutos tentando reanimar o idoso, sem sucesso. A possível causa do óbito foi narrada como “morte súbita”.

Esse é o primeiro caso contundente de sonegação no atendimento médico e omissão de socorro no Hospital Regional de Sinop desde que a secretaria estadual de Saúde alterou a forma de atendimento na unidade. Através do ofício 041/2016/SES-MT, assinado pelo secretário de saúde, João Batista Pereira da Silva, no dia 26 de novembro, o Estado determinou que a Fundação de Saúde Comunitária Santo Antônio, gestora da unidade hospitalar, atendesse somente pacientes regulados ou encaminhados pelo Corpo de Bombeiros e a equipe de socorro da Rota do Oeste. 

Pacientes regulados são aqueles atendidos por outras unidades de saúde e encaminhados ao Hospital mediante sinalização positiva da central reguladora, que fica em Cuiabá.

Desde o dia 1º de dezembro o Hospital Regional de Sinop não funciona mais “de porta aberta”. A família de Ioannis, por falta de informação ou por compreender que o pai havia saído há poucas horas do Hospital, acabou encaminhando o idoso para a unidade.

O GC Notícias procurou o secretário de Saúde de Sinop para falar sobre o assunto. Conforme Manoelito Rodrigues, a secretaria encaminhará as informações referentes ao óbito para o Ministério Público, para que investigue a situação e tome as devidas providências. A comunicação e investigação de mortes ocorridas dentro das unidades de saúde pública faz parte do protocolo.

O GC Notícias entrou em contato com a secretaria Estadual de Saúde, narrando o caso e solicitando alguns esclarecimentos. A resposta veio em forma de nota as 19h51 dessa sexta-feira (16).

Abaixo a nota na íntegra:

Nota

"A Secretaria de Estado de Saúde lamenta a morte do Sr. Georgios Tsilfilds, e através do Hospital Regional de Sinop, se coloca a disposição da família do paciente. O Sr. Georgios esteve internado na unidade no período de 5 de dezembro ao dia 15 do mesmo mês, devido a um abscesso drenado em dorso do pé direito permanecendo com lesão ulcerada no local e sob tratamento de antibióticos e troca constantes de curativo. Nesse período, não houve intercorrências clínicas e o paciente apresentou significativa melhora do quadro infeccioso no pé, recebendo alta para prosseguir tratamento ambulatorial.

O Hospital Regional informa que, no dia da alta o paciente estava acompanhado por uma familiar que recebeu orientação do médico pneumologista e responsável técnico intensivista, Leonardo Giacon, quanto a continuidade do tratamento, receitas para aquisição de medicamentos e demais encaminhamentos protocolares, sendo este o procedimento correto nesses casos.

Sobre os atendimentos no Hospital Regional de Sinop, a SES esclarece que as mudanças seguem o modelo adotado em todo o país. A mudança principal refere-se a paciente que precisam de atendimentos no box de urgência e emergência e que passam, a partir de agora, a serem regulados pelas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e hospitais municipais que pertencem a região. Esta medida foi amplamente divulgada nas regiões onde vem sendo implantadas.

Sobre o óbito do paciente, ocorrido na noite de 16 de dezembro, a SES pontua que o procedimento correto em pacientes sob suspeita de parada cardíaca é acionar SAMU, a unidade está preparada para prosseguir com os procedimentos e também orientar familiares nestes casos. Sob o atendimento dado aos familiares e pacientes no HR, a SES vai averiguar se houve negligencias e se assim comprovado, tomara as providencias cabíveis."



Quanto ao SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), citado pela secretaria estadual de Saúde, o mesmo não existe na cidade de Sinop.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS