Entrevista: Vice-presidente, vereador Marquinhos diz que terá atuação independente na Câmara de Colíder



HojeNews - Nascido no município de Cruzeiro do Oeste (PR) em julho de 1978, o vereador Marcos Aragão Pinheiro, o Marquinhos, foi reeleito nas eleições de outubro de 2016 para um mandato de mais quatro anos na Câmara Municipal de Colíder.

Morador em Colíder desde 1984, Marquinhos é filho do pecuarista do ramo leiteiro Raimundo Batista Pinheiro e de dona Ivandete. Surge daí o interesse do vereador pela defesa do pequeno produtor rural, que para ele é o principal fomentador do comércio da cidade.

Filiado ao PSD, Marquinhos se orgulha de ter promovido uma campanha à reeleição limpa e transparente, sem promover grandes investimentos financeiros. Para ele, o retorno à Câmara é resultado do trabalho honesto e eficiente realizado em defesa dos interesses da população na legislatura passada.

Neste mandato, o vereador pretende atuar de forma mais independente, mas sem deixar de apoiar as ações do prefeito Noboru Tomiyoshi que resultem em benefícios concretos e eficientes para as pessoas de Colíder, principalmente nas questões sociais, saúde, educação e na geração de emprego e renda.

Marquinhos faz parte da nova mesa diretora da Câmara de Colíder. É vice-presidente. No cargo, pretende apoiar o presidente Rica a conduzir as ações do Legislativo.

A seguir, confira a entrevista que a reportagem de HojeNews realizou com o vereador Marquinhos.

HojeNews – Vereador, o senhor conseguiu se reeleger com certa independência financeira e política. Como você pretende utilizar essa realidade na condução de duas ações a partir de agora?

Marcos Aragão Pinheiro (Marquinhos) –
Posso afirmar que esta eleição foi uma experiência diferente. Desde antes da campanha já planejava realizar um pleito independente, tanto política como economicamente. Cheguei, até mesmo, a devolver ao comitê de campanha o combustível que não usei. Trabalhei com recursos próprios e sem vinculação. Recebi apenas algum dinheiro do meu partido, o PSD. Tanto é que a minha prestação de contas foi uma das primeiras aprovadas, e sem qualquer apontamento de irregularidade. Realizei uma campanha limpa, honesta e transparente, com o máximo de contenção de gastos. E estou muito satisfeito. Mesmo com pouco recurso, consegui uma votação satisfatória [339 votos], o suficiente para garantir a recondução ao cargo.

HojeNews – E a que se deve essa sua reeleição, visto que outros candidatos investiram muito em suas campanhas?

Marquinhos –
Isso se deve ao trabalho sério e de resultados concretos durante os meus primeiros quatro anos na Câmara. As pessoas perceberam a minha capacidade para o trabalho em defesa da comunidade. Hoje em dia, o eleitor não é bobo. Ele sabe diferenciar o joio do trigo. Se não fosse a minha dedicação aos interesses da população, o meu retorno ao Legislativo seria difícil. Agora, voltando à questão da independência, ela evita que eu vire peça de manobra. E isso permite que eu possa ajudar o município de forma mais efetiva, ajudar nos projetos, ajudar no crescimento da cidade. Sem vínculos, posso investir em ações concretas e de resultados.

HojeNews – Você foi eleito vice-presidente na chapa apresentada pelo presidente Rica. O que o cargo representa para você?

Marquinhos –
É um cargo que representa força política. O Rica e eu somos de um grupo político forte aqui na Câmara. Somos do mesmo partido, que é o PSD. Somos parceiros. Eu vim para contribuir com a presidência, ajudar na condução das atividades legislativas, sempre visando os interesses da população. Tanto que decidimos transferir as sessões ordinárias da Câmara para as noites da segunda-feira, para permitir que a comunidade possa participar. A população sempre cobrou essa mudança.

HojeNews – Sobre a gestão do Noboru, qual a sua expectativa em relação da gestão do novo prefeito de Colíder para os próximos quatro anos?

Marquinhos –
É como diz o Cortella [Mario Sergio Cortella, filósofo, escritor, educador, palestrante e professor universitário]: estou no verbo esperançar. Estou com esperança. Nós estamos inseridos em uma sociedade cheia de pessoas fazendo “mais do mesmo”. Poucos são os que tem a coragem de bater de frente com esse sistema que nos entorpece e nos deixa inertes. Eu tenho a expectativa de que o Noboru deverá fazer diferente. Que fará melhor. Mas ter esperança não quer dizer que ficarei na espera. O Dalai Lama já dizia que todos nós somos responsáveis pelo bem-estar e felicidade de todos os seres humanos, da sociedade e da natureza. Eu vou fazer a minha parte. Vou colaborar. Já estou conversando com o Executivo, vendo as alternativas para promover melhorias no município. Já visitei várias pastas. Já conversei com o secretário de Saúde, de Educação e outros gestores e questionando sobre o que a gente pode fazer para contribuir. Não adianta ficar só aguardando que as coisas venham até nós. Às vezes, a gente tem que levar as alternativas. Vejo que todos os secretários estão muito interessados em promover grandes mudanças. O Vanderlei Borges, da Infraestrutura, por exemplo, é um secretário muito acessível e profundo conhecedor da coisa pública municipal. Todos os secretários estão abertos ao diálogo e às sugestões. E o prefeito também. Ele está muito acessível. A gente tem conversado bastante. Ele dialoga muito com todos os vereadores. Chama a gente para a conversa e para ouvir nossas sugestões. E isso dá um ânimo maior, porque eu passei os últimos quatro com poucas oportunidades de conversa com o gestor anterior. Nesses primeiros dias de 2017 já conversei mais com o Noboru do que com o prefeito anterior. Então, estou com muita esperança. Tenho certeza, que dias melhores virão.

HojeNews – Noboru está buscando a união política dos partidos para poder realizar uma gestão mais eficiente. Qual a sua análise?

Marquinhos –
Sempre acreditei que não pode haver bandeira política quando o assunto é administração pública e cuidar das pessoas. Colíder não é minha, não é do Noboru ou dos partidos. Colíder pertence à população. Independente de classes sociais ou partidárias, a gente não pode remar contra o povo. Por isso, deve-se buscar o apoio político onde ele estiver. E é essa unidade que conquistará os benefícios para a nossa sociedade. Não adianta puxar só para um lado. Tem que buscar a unidade. Eu acredito nessa unidade. Só assim que a administração conseguirá fazer ações importantes e viáveis O provo tem que ser o grande partido.

HojeNews – Nesse seu novo mandato como vereador, quais são os seus projetos, seus objetivos?

Marquinhos –
Eu já elaborei alguns requerimentos e indicações que atendem os interesses dos moradores de Colíder. Por exemplo, hoje o nosso município é rico em pequenos rios. Isso faz com Colíder tenha inúmeras pequenas pontes de madeira em situação precária que poderiam ser substituídas por ‘aduelas’, que são as pontes de concreto. Com a escassez da madeira, a manutenção das atuais pontezinhas torna-se cada vez mais complicada. Muitas estão sem os reparos necessários. Vejo que com essas aduelas, que não representam um custo muito alto, são uma alternativa bastante eficaz e com uma durabilidade muito longa, de muitas décadas. Levei essa sugestão ao secretário e ele tem a mesma opinião. Acatou essa minha sugestão, e por isso será uma das minhas primeiras indicações. Outra indicação é para a área da Saúde e pede a extensão do atendimento aos usuários até as 22 horas na unidade de saúde Sesp. Até dei o nome desse projeto de AME, Ambulatório de Medicina Especializada. É uma maneira de atender a população que trabalha durante o dia com um atendimento especializado em horário estendido no período noturno. Nesse local também poderia ser implantada uma sala de estabilização para aqueles pacientes que precisam ficar em observação. E se até às 22 horas ele não estabilizou, seria transferido para o Hospital Regional, onde terá acesso a uma internação mais adequada. Então, são essas algumas iniciativas que a gente está tentando colocar em prática para melhorar a qualidade de vida do cidadão colidense.

HojeNews – O Brasil vive uma crise econômica grave neste momento. E os reflexos são sentidos aqui em Colíder, que vive uma estagnação. Como fazer com que as pessoas e os empresários voltem a acreditar em Colíder?

Marquinhos –
Primeiro, nós temos que arrumar a nossa casa. O nosso comércio também está enfraquecido. Devemos fortalecer o que a gente tem aqui. Nós precisamos fazer com que os moradores de outros municípios da região voltem a consumir em Colíder. Mas, para que isso aconteça, precisamos melhorar as condições de tráfego das vias de acesso. Por exemplo, essa estrada que liga Colíder a Nova Guarita, que é de chão. Se ela estiver bem conservada, o morador de Guarita vem para Colíder, porque aqui ainda há uma prestação eficiente e diversificada, a melhor de toda a região. E essas pessoas, com bons acessos, virão gatar e investir em Colíder. E se o Hospital Regional, que atende os municípios da região, estiver funcionando bem também irá incrementar a economia local, já que os usuários da unidade também farão suas compras no comércio daqui. Lembro que houve um tempo em que as pessoas de Itaúba vinham gastar aqui em Colíder. A partir do momento em que a MT-320 ficou intransitável, toda esburacada, o morador de Itaúba preferiu fazer suas compras em Sinop. Então nós temos que resgatar isso. Devemos arrumas nossa casa, nossas estradas e oferecer melhor qualidade de serviços. Também temos que nos impor como polo em Saúde e em Educação. Temos que investir nisso daí.

HojeNews – Com relação ao agronegócio, o Noboru tem interesse em incentivar a diversificação da economia agrícola com o aumento do plantio de grãos, principalmente de soja. Os proprietários rurais de Colíder estariam interessados em reverter a pastagem para áreas de lavoura?

Marquinhos –
Na minha opinião, nós temos que, primeiro, fortalecer o que temos aqui. Tanto no comércio, como na agricultura. Nós temos aqui um grande número de pequenos produtores e agricultores familiares. Nós temos que oferecer meios para que esses produtores, que estão bem esquecidos, possam fortalecer a sua atividade. É o pequeno produtor que mais gasta aqui na cidade. É o caso do produtor de leite. E ele gasta a totalidade dos seus lucros no comércio local. Não é o caso do grande produtor, que investe a maior parte dos seus recursos em outros municípios. Ele compra os seus insumos fora. Mas, é lógico, temos que atrair os grandes, que certamente atrairão outros tipos de investimentos e comércios a Colíder, resultado em geração de emprego e renda. Mas temos que fortalecer o pequeno produtor com assistência técnica e orientações sobre comercialização da sua produção. Uma solução para ajudar o pequeno agricultor é a oferta de uma patrulha mecanizada, que atenderia todas as pequenas propriedades. A oferta de equipamentos também poderia auxiliar na produção da silagem, que é o alimento para o gado durante o período de estiagem. Uma agricultura forte atrairá investidores de todos os ramos. Por exemplo, o laticínio de Terra Nova do Norte está buscando leite no Pará porque aqui não tem produção suficiente para atender a demanda.

HojeNews – Você é uma pessoa bem relacionada com as lideranças das comunidades rurais. Quais são as necessidades das pessoas que vivem nesses núcleos e de que forma você pode ajudar?

Marquinhos –
Hoje, o grande problema é manter o jovem morando nessas comunidades. Há uma evasão muito grande de jovens para a cidade, em busca de educação e de melhores oportunidades de emprego e renda. A população do campo está envelhecendo. Os produtores que vendiam seus produtos na feira há quinze anos são os mesmos que você encontra no local hoje. São as mesmas pessoas que estão lá. São poucos os filhos que você vê substituindo os pais. Acredito que a falta de investimentos e de incentivos desmotiva o agricultor, principalmente os mais jovens, a continuar na atividade agrícola. Está cada vez mais difícil obter uma renda digna no campo. Precisamos encontrar meios para incentivar esse filho do produtor a permanecer no campo. Eu tenho isso como uma preocupação. E fica a questão: quem vai produzir no futuro? Tem que haver esse olhar diferente para as pessoas que vivem no interior de Colíder. 

***



ÚLTIMAS NOTÍCIAS - CONFIRA AQUI