Polícia Civil prende quadrilha de roubo e tráfico articulados dentro de presídio em MT

HojeNews - Quatro pessoas acusadas de integrar uma organização criminosa envolvida com tráfico de drogas e envio de aparelhos celulares para dentro de presídios foram presas pela Polícia Judiciária Civil, na operação “Retomada 03”, deflagrada em Juína (MT).

A ação cumpriu 8 ordens judiciais, sendo três mandados de busca e apreensão e 05 mandados de prisão, sendo dois deles contra João Paulo da Silva Souza, 27, o “Nego”, e os outros contra Luiz Sérgio Divino, 35, conhecido como “Luiz Tatoo”, e Aparecida Freitas Apolinário, 36, a “Cididnha”.

O quarto suspeito, Rogério Teixeira Pacheco, conhecido como “Beira Mar”, apontado como líder da quadrilha, teve o mandado de prisão cumprido dentro da Penitenciária Central de Cuiabá. Com o suspeito, foram apreendidos dois aparelhos celulares, que eram utilizados para ordenar os crimes aos demais integrantes da quadrilha.

Os suspeitos responderão pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção de menores. Além do mandado de prisão por atuação na quadrilha, João Paulo, estava com outra ordem de prisão em aberto, apontado como autor de uma tentativa de homicídio, ocorrida no dia 24 de dezembro de 2016.

As investigações que levaram a desarticulação do grupo criminoso iniciaram após o aumento significativo de ocorrências de roubos de celulares em Juína. O trabalho de investigação identificou um forte esquema de tráfico de drogas no município e em cidades vizinhas como Colniza, Campo Novo do Parecis e Brasnorte.

O líder da quadrilha, Rogério Teixeira, requisitava o roubo dos celulares aos demais integrantes, muitas vezes aliciando menores de idade a prática da ação criminosa, assim como outras pessoas ligadas ao tráfico de drogas. Os aparelhos eram enviados para os presídios, onde eram utilizados por outros membros da associação criminosa, que orientava a prática dos crimes.

A suspeita, Aparecida, é proprietária de uma loja de roupas e bastante conhecida na cidade. Nas investigações foram constatadas evidências de que ela era a responsável financeira da quadrilha, atuando nas cobranças, pagamentos e distribuição de valores. Em buscas na casa e na loja da suspeita, policiais encontraram mais indícios da atividade criminosa da quadrilha.

Segundo a Polícia, o mesmo grupo está ligado a 16 quilos de drogas apreendidos pela Polícia Militar, no final de 2016, no município, além de várias outras apreensões de entorpecentes realizada pela Polícia Civil ao longo do ano.

As investigações estão em andamento com objetivo de identificar outros integrantes do grupo, especialmente de traficantes de drogas e detentos do presídio de Juína. As informações são da assessoria de imprensa.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS