Vereador Zé Moreira quer trazer para Colíder sistema que auxilia agricultor a vender a produção


Da Assessoria – O vereador Zé Moreira (PSD), o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Ronaldo Vinha, e a professora Norma Nobre, doutoranda na Universidade de Dourados (MS) e representante da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em Colíder, visitam nesta quarta-feira (8/02), em Sinop, o Assentamento 12 de outubro para conhecer o projeto Sistema Canteiros de Comercialização Solidária (Cantasol). A iniciativa é desenvolvida pela Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat) e tem origem nas experiências do Sistema de Comercialização Solidária (Siscos), do Instituto Ouro Verde (IOV), de Alta Floresta.

Moreira explica que o Cantasol oferece ao pequeno produtor o conhecimento e as tecnologias necessárias para a venda dos produtos produzidos em sua propriedade. “É um programa de comercialização direta. Produtores e compradores são cadastrados em um sistema informatizado, onde o agricultor pode disponibilizar os seus produtos e o comprador indicar as suas necessidades”, explica o vereador.

O objetivo da visita é trazer a experiência a Colíder, onde o projeto seria gerenciado pela Prefeitura, a quem caberá organizar e disponibilizar a oferta de produtos na internet. “Após essa visita a Sinop, a Câmara e o governo municipal levarão essa sugestão aos agricultores familiares e organizarão o cadastro de pessoas interessadas. Caberá ao Executivo criar o programa através de projeto de lei, que deverá ser aprovado pela Câmara”, informa Zé Moreira.

Comercialização

O vereador explica que semanalmente os agricultores do Assentamento 12 de Outubro, em Sinop, apresentam uma lista de produtos disponíveis à venda. Os compradores fazem suas encomendas e as retiram em um ponto de entrega na Unemat. “A experiência é avaliada por produtores e compradores como bastante positiva, tanto em Sinop quanto em Alta Floresta”, diz.

Até a adoção do projeto, segundo Zé Moreira, grande parte dos assentados produzia apenas para consumo próprio, devido às dificuldades de transporte e de colocação no mercado, já que a maioria das pequenas lavouras se localizam a distâncias consideráveis das cidades.

Os consumidores também aprovam a qualidade e os preços dos produtos. “Por isso, Ronaldo Vinha e eu decidimos buscar mais informações sobre a experiência e sobre o respectivo sistema digital. Em breve, a Prefeitura de Colíder poderá ser essa ponte entre o produtor e quem quer comprar”, acrescenta Moreira.

A Unemat, de acordo com o vereador, já se colocou à disposição para ministrar um curso de orientação aos produtores de Colíder interessados em participar do projeto.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS