Bombeiros não acham crianças que sumiram em rio de Mato Grosso e encerram buscas


G1MT - O Corpo de Bombeiros encerrou na quarta-feira (8) as buscas pelas duas crianças que desapareceram no Rio Guaporé, em Vila Bela da Santíssima Trindade, distante 562 km de Cuiabá. As crianças de 8 e 9 anos caíram no rio quando um barranco desmoronou durante uma pescaria.

As buscas contaram com a ajuda de mergulhadores, de um cachorro especializado em busca e salvamento e de um drone. Ao todo, foram 10 dias de trabalho.

Os bombeiros tentaram encontrar as crianças desde o dia do desaparecimento, na última segunda-feira (27). Segundo a corporação, os dois meninos estavam em um barranco que desmoronou. Um deles caiu no rio e, o outro, ao tentar ajudar, acabou caindo também.

As buscas foram feitas tanto na margem do rio quanto na água, em um raio de procura que aumentou nos últimos dias e se estendeu ainda para baías alagadas em função da época de chuvas.

A baixa visibilidade da água e o nível de cheia do rio contribuíram para a dificuldade na localização das crianças. Durante as buscas, a cadela Sharon, da raça labrador, reforçou as buscas em um barco. Caso haja novos indícios que apontem a possível localização das crianças, os trabalhos de busca devem ser retomados de acordo com os bombeiros.


A Polícia Civil de Vila Bela da Santíssima Trindade abriu um inquérito para apurar o desaparecimento das crianças. O pedido para a Polícia Civil investigar o caso partiu do próprio Corpo de Bombeiros para saber se as crianças, de fato, caíram no rio. A ideia, segundo os militares, é solucionar o caso o mais rapidamente possível.

Momentos de angústia

A família de Carlos Daniel David, de 8 anos, tem vivido momento de angústia, segundo a avó do menino, Ivani dos Santos David.

“Estamos vivendo momentos de angústia e incerteza todos esses dias. Ao mesmo tempo que temos esperança, não sabemos se vamos encontrar os corpos”, afirmou a dona de casa, que mora em Pontes e Lacerda, distante 483 km da capital. Ela acompanhou as buscas durante alguns dias, mas precisou retornar por problemas de saúde.

Para ela, não poder dar um velório ao neto é maior tristeza que ela tem sofrido. “Só queremos ter a certeza de que ele está descansado”, disse. Segundo ela, o neto completaria 9 anos no próximo dia 11.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS