Câmara de Colíder participa de debate sobre os impactos provocados pelas barragens de hidrelétricas em MT

A Câmara de Colíder, representada pelas vereadoras Edina Martins (PT) e Dóris Sguizardi (DEM) e pelo vereador Ruam Batista (PTB), participou na última sexta feira (24/02), em Sinop, do lançamento do 8º Encontro Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que acontecerá de 1º a 5 de outubro, no Rio de Janeiro, com o lema "Água e energia com soberania, distribuição da riqueza e controle popular".

O evento teve um dia de estudos conduzidos pelo professor Dorival Gonçalvez, da UFMT de Cuiabá. O doutor e especialista em engenharia elétrica e que fez uma análise sobre políticas e econômica do setor elétrico brasileiro e a tarifa de energia.

Ele disse que a energia do Brasil é a mais cara do mundo, apesar do custo de produção ser relativamente baixo. A França tem a energia mais barata. Segundo o professor, no Brasil os valores atendem interesses comerciais de grupos e empreendedores do setor. Gonçalvez destacou ainda que o cálculo do valor da tarifa de energia também é injusto para a população. 
 
Impactos e prejuízos

Edina Martins esclarece que as pessoas que moram no entorno de usinas hidrelétricas, como pescadores, agricultores e também a população de áreas rurais e urbanas, sofrem fortes prejuízos. “Todos sofrem com a queda no valor venal das propriedades, indenizações injustas, perda de renda do pescador e impactos ambientais”.

Dóris Sguizardi disse que o evento revelou aos participantes os critérios usados para a instalação de uma usina e mostrou a defasagem nos valores aplicados no cálculo de indenização das propriedades desapropriadas para a construção das usinas.

“Os empreendedores pregam uma coisa bonita, mas a realidade é muito diferente daquela que eles se propuseram a fazer. O valor das terras dos ribeirinhos atingidos foi avaliado muito abaixo daqueles do mercado imobiliário da região. Há uma mobilização do MAB para rever esses valores”, informa a vereadora democrata.

Encontro em Colíder

Em breve, Colíder deverá sediar um encontro regional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). “As pessoas dos municípios da região terão a oportunidade de tirar suas dúvidas sobre seus direitos e em relação aos impactos econômicos, sociais, ambientais e de saúde ocasionados pela usina”, explica Edina.

“O desenvolvimento é fundamental, mas ele deve considerar também como são mantidos os recursos naturais e a qualidade de vida da população. Deve-se buscar sempre os meios de utilizar os recursos energéticos com o menor dano ambiental e social possível”, acrescenta Ruam Batista.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS