Vereador Marquinhos e servidores da Câmara de Colíder participam de reunião entre sindicato e prefeito

O vice-presidente da Câmara de Colíder, Marcos Aragão (Marquinhos – PSD), o diretor geral Rafael Pio e a servidora Lucileide Cristina Nicastro participaram nesta sexta-feira, na Prefeitura, de uma reunião do prefeito Noboru Tomiyoshi com a diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sispumcol).

O presidente do sindicato, José Maria Cardoso Filho, levou ao prefeito algumas propostas da categoria. Uma delas pede a antecipação da data-base de maio para janeiro. A justificativa é a de que a atual data impede a concessão de reajustes em anos eleitorais.


A Revisão Geral Anual (RGA) também esteve na pauta. No ano passado, o ex-prefeito Nilson Santos concedeu aos servidores municipais apenas 4,6% de reajuste. O Sispumcol quer que a prefeitura promova a reposição dessas perdas, totalizando 10,75% em 2017.

José Maria também cobrou o repasse da contribuição sindical dos servidores ao Sispumcol, a progressão horizontal e vertical a todos os funcionários que atendem os requisitos e a liberação dos servidores uma única vez durante a atual gestão, das 13h30 às 17h, para a assembleia geral da categoria.


O executivo ficou de analisar e apresentar contrapropostas às reivindicações da categoria. O secretário de Gestão, Vanderlei Borges, fez uma explanação sobre as contas da administração municipal e disse que a arrecadação apresenta uma queda significativa em 2017.

DIÁLOGO

O vereador Marquinhos destaca que essa primeira reunião entre o prefeito e o sindicato teve, principalmente, o objetivo de promover a troca de informações e ideias. “Foi um diálogo importante, mas as negociações devem acontecer dentro da realidade econômica do município. É preciso lembrar que os servidores sofreram grandes perdas nos últimos quatro anos”, comenta.


O prefeito Noboru também ressalta a importância do diálogo, acrescentando que a meta da sua gestão é sempre valorizar o servidor público municipal. “São os funcionários que fazem as coisas acontecerem aqui na prefeitura. Por isso, o diálogo é importante. Mas precisamos resolver tudo dentro dos limites do orçamento e da responsabilidade fiscal”, enfatiza.






ÚLTIMAS NOTÍCIAS