Diretor do Hospital Regional de Sorriso diz que pacientes devem ser transferidos para unidades em outros municípios por falta de verba

Devido à precariedade do Hospital Regional de Sorriso, a 420 km de Cuiabá, alguns pacientes que estão internados naquela unidade de saúde devem ser transferidos para hospitais dos municípios vizinhos. Essa é a solução apresentada pelo diretor técnico do hospital, Roberto Satoshi, diante do caos na unidade, que não recebe repasse do governo do estado há três meses.

Estão em atraso os repasses referentes aos meses de fevereiro, março e abril, que totalizam mais de R$ 8 milhões. A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que está fazendo o possível para regularizar os repasses.

Ele explicou que os pacientes que necessitam de oxigênio estão em risco, já que o gás medicinal está perto do fim.

De acordo com o diretor, teriam que ser transferidos todos os pacientes que precisam de oxigênio no centro cirúrgico, na UTI neonatal e na enfermaria, onde há pacientes com doenças pulmonares que precisam de oxigênio, disse o diretor, que chorou durante entrevista nesta segunda-feira (22), ao comentar sobre o assunto.

"Estamos tentando a transferência para assegurar esses pacientes, porque se acabar o gás medicinal vai começar a morrer gente, um atrás do outro. Pensávamos que estávamos no fundo poço, mas o poço era bem mais fundo do que imaginávamos", declarou o diretor.

No entanto, segundo o diretor, há dois problemas que atrapalham essas transferências. Primeiro, a maioria dos pacientes que precisam de oxigênio não têm condições físicas de saírem do hospital, porque o estado de saúde deles é grave e podem ter complicações no caminho. Outro problema é a falta de leitos hospitalares nas unidades das cidades mais próximas, como de Sinop, a 503 km de Cuiabá, por exemplo.

"O que nós precisamos é que todos os meses o governo cumpra com as obrigações", afirmou.

Os médicos da unidade pararam os serviços há três meses por falta de salário. Eles estão com três salários atrasados. Desde então, somente 30% dos serviços estão funcionando.
Diagnóstico

Segundo o governdo do estado, uma equipe técnica da Secretaria de Estado de Saúde está em Sorriso para fazer um diagnóstico da situação do Hospital Regional local e preparar um plano de ação para manter a unidade funcionando.

Conforme o estado, serpa feito um levantamento pontual de cada setor do hospital e todas as notas fiscais e contratos com prestadores de serviços ao hospital será conferidos, principalmente casos que geraram bloqueio judicial, para evitar pagamento em duplicidade.
Demissão

A diretora regional do Hospital Regional de Sorriso, Lígia Souza Leite, pediu demissão. No início da tarde, a SES informou que a enfermeira uciene Fernanda Benin é quem deverá assumir a direção do hospital a partir desta quarta-feira (24).

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - CONFIRA AQUI