'Ladra ostentação' que recebeu Bolsa Família cumprirá prisão domiciliar em Mato Grosso

A jovem Lubia Camilla Pinheiro Gorgete, acusada de participar de uma quadrilha que praticou 10 roubos a bancos em Mato Grosso, deverá sair da cadeia na próxima terça-feira (23). Lúbia teve sua prisão preventiva convertida em prisão domiciliar, conforme decisão da Vara Criminal em Poconé, e será monitorada por meio de tornozeleira eletônica.

A defesa ainda aguarda julgamento de habeas corpus e alega que ela é ré primária e o único erro que cometeu foi ter se envolvido com um dos suspeitos e ter atendido um telefonema.

Além da jovem, outras 16 pessoas foram presas acusadas de integrar a quadrilha. Lubia é suspeita de ter dado abrigo para dois criminosos de Santa Catarina, que vieram para Mato Grosso cometer crimes e auxilia nos trabalhos da quadrilha. A mulher também ostentava vida de luxo nas redes sociais. Entre os veículos apreendidos na operação estão: um Corolla, HB20 e uma picape Santa Cruz.

Lubia Camilla Pinheiro Gorgete também foi beneficiária do programa Bolsa Família. Conforme informações do Portal da Transparência, ela chegou a receber R$ 588,00 do programa de transferência de renda, na cidade de Cuiabá. O benefício foi pago durante quatro meses para a mulher, que recebeu o dinheiro nos últimos quatro meses de 2015, sendo R$ 147 em cada um dos meses.

Os criminosos alvos da ‘Operação Luxus’, deflagrada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCC), utilizaram os cerca de R$ 5 milhões roubados de agências bancárias para bancar passeios de helicóptero e viagens para praias do Nordeste e Sudeste. Além disto, também participaram pelo menos duas vezes do carnaval carioca, utilizando o montante levado dos bancos.

Alguns dos alvos tiveram mais de um mandado de prisão decretados pela Sétima Vara Criminal e também pela Vara Criminal da comarca de Poconé (104 km ao Sul), em três inquéritos, sendo o primeiro referente ao roubo ao Banco do Brasil, da Avenida Pernanbuco, bairro Morada da Serra II, em 13 de novembro de 2016; o segundo do furto qualificado ao banco do Brasil de Poconé, ocorrido no dia 5 de fevereiro de 2017, e o terceiro inquérito que o crime de organização criminosa.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - CONFIRA AQUI