Ministério Público notifica prefeitura de Barra do Garças para que regulamente estacionamento rotativo


HojeNews - O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça Cível de Barra do Garças, notificou o prefeito da cidade, Roberto Ângelo de Farias, e a empresa BR Tran Soluções em Trânsito Ltda-ME, para que adotem medidas necessárias para sanar irregularidades no serviço de estacionamento rotativo nas vias públicas do município, denominado “área azul”.

Na notificação, o promotor de Justiça Paulo Henrique Amaral Motta destaca que a área definida fisicamente nas vias públicas como 'zona azul” não atende o princípio da razoabilidade, pois extrapola a área comercial, inclusive invadindo regiões predominantemente residenciais. De acordo com o documento, tanto o município como a empresa não estão cumprindo com a Lei 3339/2013, que instituiu o sistema de estacionamento remunerado nas vias e logradouros públicos, pois pretendem cobrar pagamento por parte das motocicletas.

A Promotoria de Justiça fixou prazo de 20 dias, a contar da data do recebimento da notificação, para que seja editado o decreto que regulamentará o funcionamento do estacionamento rotativo, inclusive com redimensionamento da área atingindo apenas a região do comércio da cidade.

Determina-se ainda que seja feita a reserva do mínimo de 5% das vagas para idosos e 2% do total de vagas para veículos que transportem pessoas portadoras de deficiência física ou visual do total de vagas em locais de fácil acesso à circulação de pedestres, devidamente identificadas, com especificações técnicas de desenho e traçado conforme o
estabelecido nas normas técnicas de acessibilidade da ABNT.

De acordo com o promotor de Justiça a recomendação objetiva também a prevenção de responsabilização civil, ausência de boa fé administrativa e constitui fundamento jurídico para a intervenção judicial com a finalidade de corrigir conduta ofensiva aos direitos do cidadão, sem prejuízo da responsabilização pela prática de ato de improbidade administrativa ou de medida judicial a questionar eventuais irregularidades licitatórias. A informação é das assessoria do MP.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - CONFIRA AQUI