Universitária morta rompeu namoro após descobrir que namorado já tinha matado mulher, diz amiga

A estudante de direito Dineia Batista Rosa, de 35 anos, que foi assassinada no último sábado (20), em Cuiabá, havia rompido o namoro com Welington Fabrício de Amorim Couto, de 34 anos, depois de ter descoberto que ele já tinha matado a primeira mulher dele, em 2008, mas que ele não aceitava o término. 

É o que revelou a amiga da vítima, Izaura Ribeiro, que também é estudante de direito, durante um protesto realizado nesta quarta-feira (24), no Centro da capital, por amigos e parentes da universitária.

Welington está preso desde a data do crime. Ele confessou ter estrangulado a vítima por não aceitar o fim do relacionamento.


A amiga disse ainda que, como o suspeito não concordava com o fim do namoro, a vítima havia ingressado com um pedido de medida protetiva para que ele não se aproximasse dela.

Ainda segundo Izaura, o relacionamento do casal era conturbado. Eles estavam juntos haviam dois anos. Antes disso, ele havia sido condenado a 17 anos de prisão pela morte da ex-mulher e cumpria pena em regime domiciliar desde 2013. Ele usou tornozeleira eletrônica até o mês passado.

Dineia foi morta em uma casa, no Bairro Serra Dourada, na capital, que ela tinha comprado como presente de Dia das Mães para a mãe dela. 

Ela estava no local para fazer uma limpeza, quando o Welington arrombou a casa e a matou. Vizinhos ouviram gritos e chamaram a polícia, no entanto, a vítima já estava morta.





ÚLTIMAS NOTÍCIAS