Colíder tem mais de 2,5 mil crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social; Vereador Marquinhos propõe projeto de acolhimento

Mais de 2,5 mil crianças estão expostas a situações de vulnerabilidade social em Colíder, ao uso de drogas e ao crime. É o que revela o Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), elaborado pela Secretaria Municipal de Assistência Social em parceria com o Centro de Referência de Assistência Social (Cras). O número de adolescentes envolvidos em delitos também é crescente no município.

Segundo Márcia das Chagas, coordenadora do Cras, essas crianças e adolescentes são de baixa renda e tem pouca expectativa de um futuro digno. “É preciso dar uma chance às nossas crianças. Somos responsáveis por isso. Em Colíder, temos 2.562 crianças cadastradas no CadÚnico. Todas necessitam de um acolhimento coletivo”, relata. “A quantidade de crianças e adolescentes envolvidos em ocorrências policiais vem tendo um crescimento mensal. O agravante é que a maioria não possuía registros anteriores”, lamenta.

Para reverter essa situação e oferecer opções de acolhimento que mantenham essas crianças ocupadas com atividades recreativas e esportivas, o vereador Marcos Aragão (Marquinhos – PSD) está apresentando o projeto ‘Rua da Alegria’, elaborado pelas equipes técnicas do Cras e da Secretaria de Assistência Social. “O objetivo é contribuir para manter as crianças na rua, mas envolvidas em brincadeiras saudáveis e se divertindo com atividades esportivas que farão a diferença no cotidiano e na vida desses meninos e meninas”, destaca Marquinhos.

Para o vereador, é importante influenciar, orientar e educar essas crianças em risco social através de brincadeiras, palestras educativas, atividades específicas e do incentivo ao ingresso no esporte. Em Colíder, conforme levantamento do Cras, há uma população de cerca de 3 mil crianças e adolescentes que podem ser inseridos no projeto ‘Rua da Alegria’, que reunirá voluntários e equipes da Secretarias de Assistência Social e da Secretaria Adjunta de Esportes.

“Atualmente, as nossas crianças estão nas ruas, mas distantes das brincadeiras comuns no passado, como a queimada, o pega-pega, a corrida de saco, a peteca, a amarelinha, o futebol e outras atividades saudáveis. Hoje, os jovens têm o seu cotidiano tomado pelo celular e suas redes sociais. Vivem alienados a um modo de vida ocioso e sem interação social. As atividades propostas pelo projeto ‘Rua da Alegria’ pode mudar essa realidade e apresentá-las a um mundo novo e divertido”, avalia Marquinhos.


Fonte: Assessoria de Imprensa da Câmara de Colíder



ÚLTIMAS NOTÍCIAS