Policial militar inconformado com transferência mata quatro pessoas por vingança em boate de cidade de MT

Os dois autores do homicídio de quatro pessoas, ocorrido na madrugada desta quinta-feira (22.06), no município de Brasnorte (579 km a Noroeste) foram presos em ação integrada da Polícia Judiciária Civil e Polícia Militar, logo após o crime. O soldado da Polícia Militar, Rhael Jaime Gonçalves, 24, e Lucas Rafael Fernandes, 26, foram identificados como autores do crime bárbaro.

As informações preliminares mostram que os homicídios foram motivados por vingança, depois de um desentendimento entre o policial militar e os proprietários de uma casa noturna na cidade. A situação acabou culminando na remoção do soldado Rahel do município de Brasnorte para Tangará da Serra.

Por não aceitar o fato de ser transferido, no início da madrugada de quinta-feira (220, Rahel acompanhado do comparsa Lucas Rafael, entrou na casa noturna e com uma pistola calibre 380 de uso particular, efetuou disparos de arma de fogo contra a dona do estabelecimento e em outras pessoas.

A ação resultou no homicídio de quatro pessoas, sendo que três vítimas morreram no local e a quarta no Hospital após ser socorrida. Foram mortos Bruno Feitosa Comin, 22, Marlene dos Santos Marques, 40, Adilson Matias, 46, e Maria Auxiliadora dos Santos, 42.

Após o crime, o soldado voltou ao quartel, onde inicialmente negou a autoria dos homicídios, porém foi detido pelo Subcomandante da Polícia Militar de Brasnorte que o apresentou imediatamente ao delegado de polícia da cidade, Waner dos Santos Neves.

Em continuidade as diligências, os policiais civis e militares de Bransnorte, com apoio da equipe de Sapezal e do Grupo Armado de Resposta Rápida (Garra) de Juína, localizaram o segundo executor do crime Lucas Rafael. Os acusados serão interrogados e autuados em flagrante pelo crime.

O coronel Wesley de Castro Sodré, comandante do 7º Comando Regional seguiu esta manhã para Brasnorte com o objetivo de acompanhar e adotar medidas legais complementares, entre as quais a instauração do inquérito policial militar(IPM) para apurar a conduta do soldado.

O comandante-geral da PMMT, coronel Jorge Luiz de Magalhães, lamenta profundamente o ocorrido e adianta que todas as providências no sentido de esclarecer e punir o responsável estão sendo adotadas. Com informações das assessorias da PJC e PM.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS